domingo, 28 de agosto de 2016

As Saladas do Restaurante Panorama

Já conhece a nova carta do Restaurante Panorama? As saladas também têm o seu espaço de destaque e hoje vamos falar da Salada Caprese e da Salada Grega.

Comecemos pela Itália e pela salada Caprese, com origem na região de Campania, no sul de Itália, e que de acordo com alguns registos históricos recebeu esse nome devido a fama que conseguiu atingir na região de Capri, após ser servida ao rei Farouk, do Egito.

Conhecida pela sua simplicidade, os ingredientes básicos da salada Caprese são mozarela, tomate e manjericão, sendo temperada apenas com azeite, pimenta e sal. No entanto ao longo dos anos novos ingredientes foram adicionados à receita.

Esta é sem dúvida uma leve e fresca opção para os dias mais quentes.

Passemos para a Grécia, a Salada Grega do Restaurante Panorama é uma das estrelas da companhia, dotada de um carácter rústico com os seus ingredientes picados disformemente, cheia de cores brilhantes sob uma rica camada de azeite, temperados com sal e orégãos.

A Salada Grega está para os Gregos como a Salada Mista está para os Portugueses, ganhando destaque durante as décadas de 60 e 70 com o boom turístico ocorrido na Grécia, tendo surgido quase acidentalmente, numa tentativa de inflacionar os preços e assim cobrar mais por uma simples salada decidiu-se adicionara o queijo feta obtendo um maravilhoso resultado.

A Salada Grega com sua composição colorida e sabores arriscados é perfeita para o seu Verão.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Doçaria Conventual

A nova Carta do Restaurante Panorama está ai, e a doçaria conventual ganhou um lugar de relevo nas sobremesas.

Esta é talvez a doçaria Portuguesa de excelência, intitulou-se doçaria conventual porque eram os doces confeccionados nos conventos e caracterizam-se por serem, na sua maioria, compostos por grandes quantidades de açúcar e gemas de ovos.

Com origem no século XV, na mesma altura em que o açúcar entrou na tradição gastronómica dos conventos onde até à data o principal adoçante até esta altura era o mel, e apesar de o açúcar ser considerado um ingrediente vulgar permitiu a criação de várias “caldas” ainda hoje usadas. 

Os conventos eram à data compostos na sua maioria por população feminina que em muito casos que não tinham escolhido o a vida conventual por fé, mas sim por imposição social, e para se entreterem durante o interminável tempo claustral, dedicavam-se à confecção de doces que foram aperfeiçoando.

Com o passar dos séculos, e especialmente a partir de 1834 quando foi decretada a extinção das Ordens Religiosas em Portugal, as freiras e monges viram-se confrontados com a necessidade de angariarem dinheiro para o seu sustento e assim o destino dos doces conventuais era a venda nos vilarejos das redondezas do convento onde eram criados, e assim aos pouco os segredos da confecção dos doces conventuais foi passando das freiras para as mulheres com quem tinham um contacto próximo.

A lista de doces conventuais é extensa e abrange todas as regiões de Portugal, o Restaurante Panorama na sua sobremesa Trilogia de Doces Conventuais incluiu o toucinho-do-céu originário de Trás-os-Montes, as encharcadas provenientes do Alentejo e da nossa região os tradicionais pastéis de Tentúgal.

Esta é mais uma razão para vir conhecer a nova Carta do Restaurante Panorama.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

A Cataplana

O Restaurante Panorama do Hotel D. Luís acaba de apresentar a nova carta e as Cataplanas têm um lugar de destaque.

Inicialmente produzido em zinco, este peculiar utensilio culinário Português começou a ser produzido há muitas décadas na região Algarvia por antigos caldeireiros, mestres na arte de trabalhar o cobre.

A Cataplana tem origens pouco claras, é no entanto clara a influência árabe podendo-se encontrar paralelismo na célebre “Tajine” marroquina que utiliza o mesmo tipo de cozedura hermética, lenta e a baixa temperaturas.

A utilização do cobre permite uma excelente condutividade do calor por toda a Cataplana, e também ajuda a dar um sabor especial único aos pratos confeccionados.

Nesta nova carta o Restaurante Panorama apresenta na sua nova Carta 3 tipos de Cataplana a tradicional Cataplana À Pescador (Variedade de Peixes) a Cataplana de Bacalhau e Camarões e a Cataplana de Porco com Ameijoa.

Venha já conhecer a nova carta!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Noites de Música no Coração da Cidade de Coimbra

Prosseguem as noites de música na cidade de Coimbra, eis o programa desta semana:

Dia 28
22h - Noite de Fado com Fado ao Centro na Praça 8 de Maio

Dia 29
22h - Noite de Folclore na Praça 8 de Maio com o Grupo Folclórico de Torre de Bera

Dia 30
22h - Noite de Folclore na Praça 8 de Maio com o XXIII Serão Popular – Grupo Folclórico Casa de Pessoal da Universidade de Coimbra.

Dia 03
22h - Noite de Cinema na Baixinha - Cinema no Largo do Poço | “Norman McLaren, filmes de animação”

Dia 04
22h - Noite de Fado na Praça 8 de Maio com Fado ao Centro

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Noites de Música no Coração da Cidade de Coimbra

Está mais uma semana recheada de música no centro de Coimbra.

São 44 dias de música e espectáculos delineados pela Câmara Municipal de Coimbra com o objectivo de trazer animação ao centro histórico da cidade durante o verão este é o programa para os próximos dias:

Dia 20
22h - Noite de Cinema - Cinema na Praça 8 de Maio - “Paris, Texas” (1984) Wim Wenders

Dia 21
22h - Noite de Fado com Fado ao Centro na Praça 8 de Maio

Dia 22
22h - Noite de Folclore com o Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego e Grupo Etnográfico da Casa do Povo de Souselas, na Praça 8 de Maio

Dia 23
22h - Noite de Música Popular com o Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego e Grupo Etnográfico da Casa do Povo de Souselas, na Praça 8 de Maio

Dia 27
22h - Noite de Fado e Cinema na Baixinha
21h30 - Fado no Largo do Romal com o Grupo Orpheu
22h - Cinema no Largo do Romal | “Nova Iorque Fora de Horas” (1985) Martin Scorsese

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Rainha Santa Isabel - De Infanta de Aragão a Rainha de Portugal

As Festas da Rainha Santa estão quase a terminar, mas no ano em que se comemoram  os 500 anos da beatificação da Rainha Santa Isabel, iniciativas não vão faltar.

O Município de Coimbra e a Coimbra Rede de Museus inauguraram, no passado dia 4 de Julho, Dia da Cidade, a exposição RAINHA SANTA ISABEL| De Infanta de Aragão a Rainha de Portugal.

Descendente da Casa Real de Aragão, Santa Isabel nasceu, muito provavelmente, em 11 de Fevereiro de 1270, em Saragoça, desempenhou um importante papel na corte, apoiando o monarca D. Dinis, com quem casou em 1282.

A exposição, patente na Sala da Cidade, retracta a vida e obra da Rainha Santa que viveu grande parte da sua vida em Coimbra, cidade que era, então a capital do reino, deixando uma marca que ainda hoje perdura.

Até o dia 1 de Outubro de terça-feira a sábado, das 13h00 às 18h30 não perca a oportunidade que conhecer a história da Rainha Santa Isabel.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Festas da Rainha Santa Isabel

A decorrerem de 1 a 13 de Julho, as Festas da Rainha Santa Isabel são um momento importante da cidade de Coimbra.

Descendente da Casa Real de Aragão, Santa Isabel nasceu, muito provavelmente, em 11 de Fevereiro de 1270, em Saragoça.

Tendo visitado Coimbra pela primeira vez em Outubro de 1282, foi a esta cidade que recolheu após a morte de D. Dinis, realizando muitas das práticas caritativas acompanhadas de prodigiosos milagres, que viriam a ter como expressão máxima a lenda da transformação do pão em rosas.

Falecida aos sessenta e seis anos, no dia 4 de Julho de 1336, em Estremoz, foi sepultada em Coimbra no dia 11 de Julho.

Eis o programa completo das celebrações deste ano:
  • De 1 a 13 de Julho
Exposição da mão da Rainha Santa na Igreja da Rainha Santa Isabel
  • Dia 1, 2 e 3 de Julho
Tríduo preparatório com a Santa Missa ou Vésperas e pregação, às 21H30.
  • Dia 3 de Julho
Missa da Confraria transmitida em directo pela TVI .
  • Dia 4 de Julho,  Dia da Festa
08H00 - Laudes e Missa
11H00 - Missa solene
16H30 - Missa da Real Ordem de Santa Isabel, com a presença de SS.AA.RR. os Senhores Duques de Bragança.
18H00 - II Vésperas
  • Dia 7 de Julho
Procissão de Penitência
  • Dia 9 de Julho
Procissão Jubilar da Misericórdia
  • Dia 10 de Julho
Procissão Solene